Buscar
  • brunoabreu6

Como a autoestima influencia na sua saúde

O papel da autoestima na manutenção dos melhores indicadores de saúde é largamente estudado na medicina. Atualmente, já se sabe que a mente e o corpo estão interligados de forma intensa, com cada qual influenciando o outro. Mas como a autoestima influencia na sua saúde?


Ela pode atuar de diversas formas, melhorando a qualidade de vida de uma pessoa e prolongando a expectativa de vida ou piorando alguns tipos de problemas e favorecendo o aparecimento de doenças psicológicas, como a depressão, a ansiedade e os transtornos obsessivos compulsivos.


Nos próximos parágrafos, vamos entender um pouco melhor o que é a autoestima e como ela pode influenciar na saúde de uma pessoa.


O que é autoestima?


Autoestima é mais uma dessas palavras que significa muitas coisas e, ao mesmo tempo, pode não significar nada. Dessa forma, vamos entender um pouco mais sobre o que seria essa estima sobre si mesmo e como ela pode nos afetar em todas as fases da nossa vida.


Autoestima é a estima que alguém tem por si próprio, ou seja, ela está associada à pessoa que está satisfeita consigo mesma, incluindo sua aparência física, seu caráter, suas decisões e sua vida profissional. Dentro deste conceito, temos uma avaliação feita por nós sobre nós mesmos, onde medimos esse conforto próprio conosco. Essas avaliações internas podem ser positivas ou negativas, mas estão sempre lá.


Quanto maior a autoestima, mais amor próprio, confiança e felicidade uma pessoa pode sentir. Enquanto isso, se alguém sofre com a baixa autoestima, podem aparecer sintomas ligados à depressão, estresse, insegurança, ansiedade e isso pode ser somatizado, afetando a imunidade e prejudicando também o corpo.


Como a autoestima influencia a saúde?


A autoestima está diretamente ligada à saúde, especialmente à saúde mental. Pessoas com problemas de insegurança e uma baixa comodidade consigo mesmas podem desenvolver problemas de concentração e apresentar sinais de ansiedade, depressão e TOC, além de poderem, por vezes, assimilar comportamentos destrutivos.


Neste sentido, podemos citar um estudo realizado na Noruega com 200 adolescentes. Na pesquisa, foram analisados o comportamento sobre a sua autoestima e sintomas de distúrbios psicológicos e déficits de atenção, de acordo com os próprios adolescentes. Após a conclusão dos testes, foi verificado que uma maior autoestima estava relacionada com menos problemas psíquicos e que o controle prévio sobre os distúrbios também mostrava uma maior autoestima e menos sinais de doenças mentais.


Os pesquisadores, em sua conclusão, conseguiram afirmar que adolescentes com maior autoestima sofrem menos com problemas mentais com o tempo e que a autoestima age como uma barreira contra os sintomas.


E não é como se isso não fosse uma reação em cadeia! Afinal, já existem estudos prestigiados, como um feito na Espanha, que mostram que indivíduos portadores da depressão tem maiores índices de estresse oxidativo no corpo. Esse fato ajuda na progressão de doenças articulares e no desenvolvimento de diversas doenças, como câncer e Alzheimer.


Um terceiro estudo, dessa vez conduzido pelo Centro Internacional para Saúde e Sociedade de Londres, mostrou que pessoas que tem uma autoestima muito baixa também apresentam problemas no sistema imunológico. Essa menor atividade propicia maior suscetibilidade a doenças infecciosas e inflamações ao longo do tempo.


Ou seja, a autoestima é uma importante parte da nossa saúde e que não podemos negligenciar jamais. Sem ela, ficamos suscetíveis a problemas psicológicos e físicos até mesmo no futuro.


Como cuidar da autoestima e da saúde?


Para cuidar da autoestima e, consequentemente, da saúde, é preciso escutar o seu corpo e a sua mente, confiar em si mesmo e procurar ajuda quando achar que não é possível. Abaixo, vamos explicar melhor sobre o que podemos fazer para manter a autoestima em dia:


Se alimentar de forma saudável

A base do ser humano é a alimentação. Consumir alimentos saudáveis e se preocupar com a sua preparação para ter um ótimo sabor pode ser um autocuidado importante.


Faça exercícios físicos

O esporte, além de cuidar do corpo, garante a liberação de hormônios que trazem bem-estar para o indivíduo, sendo fundamentais para uma vida e uma mente saudáveis.


Repousar e dormir bem

O sono é uma das coisas mais importantes para o ser humano. Sem ele, diversos processos corporais podem ficar debilitados, mas, mais do que isso, a ausência de descanso afeta as relações pessoais e aumenta o estresse.


Tire um tempo para si

Ter um tempo sozinho e fazer atividades de lazer é muito importante para a manutenção da saúde mental. Esse ato de espairecer com atividades próprias afasta o estresse e pode melhorar a relação consigo mesmo.


Pense positivo!

Talvez o mais difícil, mas pensar positivo é um dos guias fundamentais da autoestima. Pense positivo sobre você, sobre o futuro, sobre suas habilidades profissionais e sobre os seus objetivos! O pensamento positivo pode ajudar você a atingir a sua meta.


Possua objetivos alcançáveis

Mirar na lua é importante, mas vitórias pequenas podem dar confiança para chegar aonde se quer chegar primeiro. Tente dar um passo de cada vez que o futuro pode ser alcançado com calma.


Entretanto, não se esqueça! Se você tem problemas com autoestima e apresenta sintomas de tristeza, angústia e falta de concentração, a consulta com um profissional pode ser necessária. Nenhuma luta na saúde mental deve ser travada sozinha.


Conheça o Instituto Gallassini


O Instituto Gallassini é uma clínica especializada em trazer o melhor da saúde e da estética para você atingir o corpo dos seus sonhos, sem deixar de lado o mais importante: a sua saúde. Somos especialistas em diversas terapias e tratamentos voltados para construir a melhor versão de você no amanhã.


Nosso objetivo é garantir que todos possam se tornar super-humanos, entendendo como o nosso cuidado nos faz melhores.


Quer saber como Instituto Gallassini pode te ajudar? Entre em contato conosco e agende uma consulta de avaliação.


Michal (Michelle) Mann, Clemens M. H. Hosman, Herman P. Schaalma, Nanne K. de Vries, Self-esteem in a broad-spectrum approach for mental health promotion, Health Education Research, Volume 19, Issue 4, August 2004, Pages 357–372, https://doi.org/10.1093/her/cyg041


Henriksen IO, Ranøyen I, Indredavik MS, Stenseng F. The role of self-esteem in the development of psychiatric problems: a three-year prospective study in a clinical sample of adolescents. Child Adolesc Psychiatry Ment Health. 2017;11:68. Published 2017 Dec 29. doi:10.1186/s13034-017-0207-y







6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo