Buscar
  • brunoabreu6

Tudo que você precisa saber sobre a menopausa precoce

A menopausa é um fato incontornável que afetará as mulheres em sua vida. O fim da menstruação não pode ser evitado, mas é possível se preparar para o seu aparecimento. Contudo, existe uma situação mais difícil de prever e que pode prejudicar a qualidade de vida da mulher: a menopausa precoce.


A menopausa precoce ocorre quando a mulher para de ovular antes do período normal, perdendo a capacidade de engravidar e tendo uma redução muito expressiva nos hormônios ligados à reprodução. A pausa pode vir até mesmo antes dos 40 anos e pode ter ou não sintomas perceptíveis no dia a dia.


Nos próximos parágrafos, vamos explicar mais sobre a menopausa precoce e como é possível entender se está passando por ela.


O que é a Menopausa precoce?


Menopausa é o nome dado à parada permanente e irreversível da menstruação na mulher. Com ela, a mulher tem uma queda na produção hormonal e sintomas associados a sensações de desconforto e dor. Normalmente, a menopausa acontece após os 45 anos, podendo chegar até os 55 anos em alguns casos específicos.


Porém, algumas mulheres sofrem com uma chegada precoce da menopausa, ocorrendo por volta dos 40 anos ou antes, em alguns casos mais raros. A menopausa precoce acomete cerca de 1% das mulheres, o que poderia atingir até 1 milhão de pessoas.


Segundo estudos, a menopausa precoce está associada a problemas e sintomas relacionados à saúde mental, tanto a curto quanto a longo prazo. O aumento do estresse e sintomas associados à depressão e ansiedade são verificados em estudo realizado na Coreia do Sul. Além da falta de preparo para o período, a surpresa e problemas associados a causas secundárias podem piorar o quadro psíquico.


Quais as causas da menopausa precoce?


Os óvulos, que vão ser liberados durante toda a vida da mulher, são formados ainda no útero. Durante a vida, o organismo feminino não consegue produzir novos folículos ovarianos para a reposição de óvulos, usando a reserva da primeira menstruação até o fim do período reprodutivo.


O climatério representa o fim da liberação dos óvulos que, em consequência, acaba causando a falência ovariana. A falência impede a concepção (gravidez), mas também atrapalha a saúde feminina como um todo, causando a redução das concentrações dos hormônios femininos estrogênio e progesterona.


As causas para a menopausa precoce podem ser diversas e podem ser derivadas de condições genéticas, insuficiência ovariana, doenças sistêmicas ou tratamentos para outras doenças. Abaixo, listamos algumas dessas causas:


Falência dos ovários

É possível que estes órgãos parem de funcionar naturalmente, reduzindo a quantidade de hormônios como o estrogênio e parando definitivamente a ovulação.


Alterações cromossômicas

Condições como a doença de Turner, doença autoimune, podem causar a falência ovariana, principalmente para casos muito precoces como aos 20 e 30 anos.


Tratamentos oncológicos

Alguns tipos de tratamentos contra o câncer, como a radioterapia e a quimioterapia, podem causar a falência ovariana temporária ou permanente.


Quais os sintomas da menopausa?


Nem sempre a menopausa precoce está associada a sintomas aparentes, podendo ser descoberta somente após consultas e exames com profissionais especializados. Entretanto, existem diversos sintomas que podem indicar o acontecimento da menopausa antes do período usual como:


  • Ondas de calor;

  • Aumento do estresse;

  • Sintomas depressivos;

  • Irritabilidade;

  • Insônia;

  • Diminuição da libido;

  • Aumento do peso;

  • Dor na relação sexual;

  • Incapacidade de engravidar.


Além dos problemas de ordem psíquica, a menopausa precoce também pode aumentar problemas relacionados à falta do hormônio estrogênio, como a osteoporose e doenças cardíacas.


Existe tratamento para menopausa precoce?


Assim como a menopausa no período adequado, a menopausa precoce não possui um tratamento que reverta o quadro ou possibilite a volta da possibilidade de engravidar ainda. Entretanto, existem estudos com plasma rico em plaquetas que mostram existir chance do aumento da função ovariana. Leia mais aqui https://pebmed.com.br/gravidez-apos-tratamento-de-menopausa-precoce/


Apesar disso, é possível tratar a baixa hormonal, principalmente no caso da menopausa precoce, com a reposição e a modulação hormonal. Em ambos os casos, tratamentos com pílulas ou implantes aumentam os níveis do estrogênio e reduzem os problemas associados à deficiência do hormônio.


É possível viver bem após a menopausa


Com o diagnóstico médico sobre a menopausa precoce e o início dos cuidados para garantir a melhor saúde das pacientes, é preciso encarar a nova fase com seriedade e tranquilidade. A vida da mulher não acaba na menopausa e, mesmo quando o climatério chega de forma inesperada, é possível ir se preparando. Leia o nosso artigo sobre como você pode se preparar para este período: https://www.institutogallassini.com/post/qualidade-de-vida-na-menopausa-saiba-como-se-preparar-para-essa-fase


Se você precisa de auxílio neste momento, conte uma clínica especializada no melhor cuidado para os pacientes, sempre seguindo uma metodologia multidisciplinar e humanizada, como o Instituto Gallassini. A clínica possui diversos tratamentos e dispõe dos melhores cuidados para mulheres na menopausa e na sua busca pela saúde perfeita.


Entre em contato com o Instituto Gallassini e agende uma consulta de avaliação.


Referência


Choi IY, Choi YE, Nam HR, Lee JW, Park EC, Jang SI. Relationship between Early Menopause and Mental Health Problems. KJFP 2018;8:87-92. https://doi.org/10.21215/kjfp.2018.8.1.87




10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo